Blog

Pedra na vesícula pode não apresentar sintomas

De acordo com a Organização Mundial de Gastroenterologia, cerca de 10% da população brasileira tem ou ainda desenvolverá pedra na vesícula. A colelitíase acontece, em 70% dos casos, devido à precipitação de colesterol e cálcio no organismo. A segunda maior causa dos cálculos é a precipitação de pigmentos biliares.

Os recentes hábitos alimentares da população podem provocar a formação das pedras. Alimentos ricos em gordura saturada e colesterol contribuem para e obesidade e diabetes. Essas doenças aumentam as chances do paciente ter cálculos biliares.

Além de evitar ingerir grande quantidade de gordura saturada, que pode aumentar os índices do colesterol ruim (LDL), é necessário consumir fibras - presentes em cereais integrais -, frutas e vegetais. É importante, também, manter um peso saudável e, caso seja necessária a perda de peso, que o processo aconteça de maneira gradual. Emagrecer muito rapidamente pode aumentar as chances de pedra na vesícula.

Alguns pacientes apresentam sintomas que são alertas para pedras na vesícula: dor na parte superior do abdômen ou nas costas, especialmente após refeições “pesadas”; inchaço abdominal; indigestão; eructação (arrotos); náuseas; vômitos; febre e icterícia (pele amarelada).

Quando não há sintomas, é possível fazer um acompanhamento da evolução do quadro, podendo não ser necessário retirar a vesícula do paciente. Apenas 20% a 30% dos casos assintomáticos irão evoluir e apresentar algum tipo de sintoma nos próximos 20 anos.

Nos casos em que há inflamação da vesícula por conta dos cálculos, é necessário realizar a colecistectomia, que é a retirada da vesícula por meio de cirurgia. Hoje em dia, esse procedimento é feito por vídeo e quatro pequenas incisões. A maioria dos pacientes tem uma vida normal após a retirada da vesícula.

Existe um grupo específico que apresenta maiores riscos de desenvolver pedras na vesícula: mulheres, com sobrepeso, na faixa dos 40 anos, férteis e que tenham mais de dois filhos, já que o número de gestações também está relacionado com as chances de desenvolver cálculos na vesícula.

Até o próximo post!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Comentários